Conheça os pontos de navegação da região.

Clique no mapa ou selecione o local desejado para saber mais informações.

Corrientes Sanga do Derci Passo do Liscano Formiga Barra Passo dos Negros Arroio Pelotas  Arroio Pepino Ilha do Malandro Arroio Santa Bárbara Ponte do S.G Arroio Fragata Eclusa do S.G Arroio Padre Doutor Volta do Tigre Volta do Pesqueiro Volta do Apolinário Ilha da Brigadeira Arroio do Pavão Ilha das Moças Sanga das Traíras Rio Piratini Contrabandista Sanga Feia Volta do Barro Ilha Grande Sanga da Luí­sa Lagoa Formosa Ilha Pequena Povoado Sta. Isabel Ilha do Sangradouro

Corrientes

Corrientes

 O belo arroio Corrientes caracteriza-se pelo rápido crescimento de suas águas, oferecendo sempre uma vista privilegiada.

  • Canal São Gonçalo

    O Canal São Gonçalo é uma via fluvial brasileira que faz a ligação entre a Lagoa Mirim e a Lagoa dos Patos, tendo uma extensão de 62 km. Seu principal afluente é o Rio Piratini. É considerado um canal e não um rio porque, ao contrário deste, as suas águas não correm naturalmente sempre na mesma direção, pois a direção da corrente depende do volume de água de cada uma das lagoas cuja ligação faz. Se o maior volume de água for da Lagoa Mirim, as águas correm em direção à Lagoa dos Patos e vice-versa. O fluxo natural foi, no entanto, modificado pela Barragem do Centurião, construída em 1977 com o objetivo de impedir a intrusão das águas do mar para a Lagoa Mirim e, assim, garantir a fonte de água potável para as cidades de Rio Grande e Pelotas, bem como prevenir prejuízos às lavouras de arroz em torno da Lagoa Mirim. A barragem ajuda ainda a evitar enchentes. Por esse motivo, as águas correm da Mirim para a Lagoa dos Patos em 70% do tempo, somente se invertendo o fluxo por causa de eventual estiagem (normalmente de novembro a maio). No trecho entre a cidade de Pelotas e a sua foz, apresentava diversos trechos dragados para permitir um calado de acesso ao porto de Pelotas. Interessante o fato do atual Arroio Pelotas desembocar na parte final do Canal São Gonçalo. No século XIX, o Arroio Pelotas era o principal meio de transporte dos trabalhadores (escravos) nas charqueadas localizadas às suas margens. Eles utilizavam embarcações feitas de couro em forma de pelota. Daí o surgimento do atual nome da cidade de Pelotas. Durante a Revolução Farroupilha foi um importante obstáculo natural, constituindo por algum tempo a fronteira entre o território imperial e farrapo.
  • Ilha dos marinheiros

    A ilha é considerada patrimônio da cidade de Rio Grande pela preservação de valores, herdados da cultura dos portugueses, que colonizaram o local. Antes da vinda dos primeiros colonizadores portugueses, as terras da Ilha dos Marinheiros eram ocupadas por indígenas. De acordo com vestígios encontrados na ilha, os grupos eram: minuanos, charruas e guaranis.[3] A importância desta ilha tem início nos primórdios da fundação da cidade de Rio Grande, quando forneceu água, lenha e madeira para as fortificações e para os colonizadores da Vila do Rio Grande de São Pedro. No passado, a Ilha abastecia todo o comércio de Rio Grande e proximidades, atualmente produzindo cerca de 80% das hortaliças consumidas em Rio Grande. Em 1845, a ilha recebeu o imperador Dom Pedro II.
  • Ilha da Feitoria

    A ilha da Feitoria é uma pequena ilha na costa sul da Lagoa dos Patos no Rio Grande do Sul, pertencente ao município de Pelotas. Foi promovida a Área de Preservação Permanente (APP) em 1993.
  • Bojuru, São José do Norte

  • São Lourenço

    Possui uma área de 2.036,13 km² e conta com as águas do rio Camaquã e da Lagoa dos Patos. É banhada pelo arroio São Lourenço, que alimenta a rede de distribuição de água da cidade.
  • Rio Grande

    Através da Lagoa dos Patos, a cidade liga-se ao Lago Guaíba (que banha Porto Alegre), bem como aos rios que desembocam neste, como o rio Jacuí e o rio dos Sinos.
  • Arroio Contrabandista

     As águas turvas do Arroio Contrabandista situam-se ao lado do Rio Piratini, um lugar cercado de muita natureza e belezas únicas.
  • Arroio Corriente

    O belo arroio Corrientes caracteriza-se pelo rápido crescimento de suas águas, oferecendo sempre uma vista privilegiada.
  • Eclusa

     Localizada na extremidade nordeste do Canal São Gonçalo, distante 3 Km da Cidade de Pelotas, a Barragem-Eclusa foi construída com a finalidade de evitar a intrusão de água salgada na Lagoa Mirim, assegurando assim a qualidade das águas e um melhor aproveitamento dos recursos naturais.
  • Arroio Sangradouro

     O Arroio Sangradouro situa-se nas águas da Lagoa Mirim. Lugar de águas tranquilas e berço de grandes histórias.
  • Lagoa Mirim

     A Lagoa Mirim (em espanhol: Laguna Merín) é uma lagoa localizada na fronteira entre o estado do Rio Grande do Sul, no extremo sul do Brasil, e o Uruguai. É a segunda maior lagoa do Brasil (menor apenas que a Lagoa dos Patos), e a primeira do Uruguai. Também pode ser considerada a maior lagoa, visto que os geólogos consideram a Lagoa dos Patos como laguna.  
  • Lagoa dos Patos

     A Lagoa dos Patos é a maior laguna do Brasil e a segunda maior de toda a América. Tem 265 quilômetros de comprimento, 60 quilômetros de largura, 7 metros de profundidade (na sua quota máxima), e uma superfície de 10 144 km², estendendo-se na direção norte-nordeste-sul-sudoeste, paralelamente ao Oceano Atlântico.
  • Areias Gordas

      Em frente a barra do Laranjal, bela paisagem!
  • Caça e Pesca

     Ao entardecer.
Canal São Gonçalo

Canal São Gonçalo

O Canal São Gonçalo é uma via fluvial brasileira que faz a ligação entre a Lagoa Mirim e a Lagoa dos Patos, tendo uma extensão de 62 km. Seu principal afluente é o Rio Piratini. É considerado um canal e não um rio porque, ao contrário deste, as suas águas não correm naturalmente sempre na mesma direção, pois a direção da corrente depende do volume de água de cada uma das lagoas cuja ligação faz. Se o maior volume de água for da Lagoa Mirim, as águas correm em direção à Lagoa dos Patos e vice-versa. O fluxo natural foi, no entanto, modificado pela Barragem do Centurião, construída em 1977 com o objetivo de impedir a intrusão das águas do mar para a Lagoa Mirim e, assim, garantir a fonte de água potável para as cidades de Rio Grande e Pelotas, bem como prevenir prejuízos às lavouras de arroz em torno da Lagoa Mirim. A barragem ajuda ainda a evitar enchentes. Por esse motivo, as águas correm da Mirim para a Lagoa dos Patos em 70% do tempo, somente se invertendo o fluxo por causa de eventual estiagem (normalmente de novembro a maio). No trecho entre a cidade de Pelotas e a sua foz, apresentava diversos trechos dragados para permitir um calado de acesso ao porto de Pelotas. Interessante o fato do atual Arroio Pelotas desembocar na parte final do Canal São Gonçalo. No século XIX, o Arroio Pelotas era o principal meio de transporte dos trabalhadores (escravos) nas charqueadas localizadas às suas margens. Eles utilizavam embarcações feitas de couro em forma de pelota. Daí o surgimento do atual nome da cidade de Pelotas. Durante a Revolução Farroupilha foi um importante obstáculo natural, constituindo por algum tempo a fronteira entre o território imperial e farrapo.